terça-feira, 27 de dezembro de 2011

Você sabe o que é "Blues Puerperal"?

Oi mamãezinhas, escrevo hoje sobre algo que passei após o parto da Joanna o “Blues Puerperal”, alias só descobri o que era depois que tive e que não é a mesma coisa que depressão pós parto.
Após o nascimento do Joanna entrei em uma tristeza sem fim, chorava por tudo e por nada, não tinha vontade de fazer nada e nem de comer, porém minha vontade de cuidar e ficar com a Joanna era muito grande e não tinha nenhum pensamento suicida, essa é a grande diferença entre depressão pós parto e Blues Puerperal.
Me sentia desanimada, um lixo, sentia muitas dores dos pontos que para ajudar infeccionaram e alguns abriram, também ficava muito cansada sem animo para fazer nada, a única coisa que me fazia levantar da cama e tentar continuar o meu ritmo de vida de antes era a Joanna, e quando me via desse jeito eu chorava por que aquilo não era eu, e não tinha forças pra lutar contra aquilo, era horrível, foi a pior sensação da minha vida, a sensação de não ter controle sobre você mesma!
Fiquei muito assustada com aquele sentimento de melancolia constante, meu marido ficou o tempo todo preocupado comigo e me ajudou bastante nesse momento, também agradeço muito a minha sogra Adriana que nessa fase difícil cuidou de mim e da Joanna, minha mãezinha e minha irmã que também me ajudaram muito. Agradeço a todos eles!
E sem saber direito o que estava acontecendo comigo procurei na internet alguma informação, primeiro por depressão mas vi q não tinha certos sintomas como aqueles que descrevi no começo, então achei o “Blue Puerperal” e se encaixava direitinho com o que estava acontecendo comigo e descobri que isso acontece por causa das mudanças hormonais que ocorrem depois do parto, o estado físico e emocional que a mulher se encontra após o parto que é chamado de anticlímax, que 60 a 80% das mulheres passam por isso.
Que tudo isso é normal, não sendo necessário procurar tratamento medico e que o apoio de familiares, amigos, e bastante descanso e com a paciência de todos, que isso já é o bastante para ajudar a mamãezinha passar por essa fase difícil e que em 3 ou 4 semanas a sensação ruim vai embora.

E o apoio do marido é fundamental para ajudar nesse momento, conversando, ouvindo, mostrando que é natural se sentir sobrecarregada, exausta e insegura com algo que é totalmente novo, deixando-a chorar o quanto quiser, deixando-a descansar assumindo os deveres de casa e limitando as visitas e paciência e o segredo para ajudar a nova mamãe passar por essa fase dificil!


Deixo aqui um super, mega Obrigada para todos aqueles que me ajudaram de perto e de longe!

sexta-feira, 23 de dezembro de 2011

Vou contar como começa a historia da Joanna!

Tudo começou quando eu uma paulista se apaixonou por um gaúcho pela internet, nosso amor deu tão certo que casamos em menos de um ano, porém nossa primeira tentativa de ter um bebê não deu certo, 6 meses depois fui abençoada com a noticia que a Joanna estava em meu ventre.
A gravidez foi um pouco dificil, fiquei muito enjoada, desmaiava, minha glicemia vivia baixa e fiquei com deficiência de ferro, por este motivo emagreci muito no começo da gravidez, porém depois de alguns meses começei a engordar bastante, engordei 25kgs, mas mesmo assim minha deficiência de ferro continuava, no dia 3 de agosto as 8:30 minha bolsa estourou, vou para o hospital chego as 9hs e fiquei esperando sentada em uma cadeira de rodas pq não tinha  vaga, esperei até as 14hs até q o médico me examinou e viu que estava com 8 dedos de dilação e mandou subirem comigo para o centro cirurgico, e todo esse tempo estava sentindo uma dor terrivél era as contrações, quando fui para o centro cirurgico me deram a peridural e a dor passou porém o parto estava só no começo, a Joanna não nascia mesmo com 10 dedos de dilatação, então o medico realizou a fórceps mas mesmo assim a Joanna não nascia o tempo foi passando, então outro medico veio colocou a mão e quebrou a clavícula dela e a puxou , teve que ser assim pois ela era muito grande e eu muito pequena, eu não tinha passagem suficiente para ela nascer o tempo já tinha passado e se demora-se mais a Joanna não estaria aqui, como o corte foi grande e eu com a deficiência de ferro tive um grande sangramento após o parto tive que receber 2 bolsas de sangue, mas deu tudo certo ela nasceu linda com 3,850kgs e 51cm, linda cheia de saúde e a clavícula em uma semana já estava curada!!!
A Joanna já nasceu sendo guerreira e lutou para vir para esse mundo e é claro o pai da Joanna meu Marido Igor não saiu do meu lado e sem ele não conseguiríamos sozinhas.
Mesmo com todas as dificuldades tudo valeu a pena, e só olhar o rostinho dela sorrindo para mim que nem me lembro das dores e dos problemas que tivemos!
Obrigada Deus por esse dom divino de ser mãe, este acontecimento é realmente um milagre e uma benção para toda a familia!